Anuncio

Sobre o ChatGPT

Sobre o chatgpt bomdiario.com

A colaboração entre investigadores de várias entidades é a única forma que ferramentas como o ChatGPT têm conseguido, mas essa situação pode estar a mudar.

A conversa sobre inovação no setor de tecnologia mudou desde o ano passado. Se termos como metaverso, web3 e criptomoeda dominaram as conversas em 2021 e 2022, a inteligência artificial assumiu como foco de discussão em 2023.

Faz sentido: aplicativos como ChatGPT e Midjourney têm aplicações muito óbvias. Com aplicações que variam de produtividade aprimorada a pesquisa na Internet, a operação desses produtos pode ser vista em ação agora mesmo. A IA já é útil em aplicativos do mundo real, enquanto o metaverso é um projeto hipotético. (ChatGPT)

Portanto, a empolgação é justificada. Além disso, incentiva uma corrida por pesquisa e desenvolvimento na área, em busca de novos usos para a inteligência artificial.

Um nome se destacou entre as muitas pessoas envolvidas nessa busca. A OpenAI é a empresa que, em muitos aspectos, é a grande culpada pelo atual aumento do interesse pela inteligência artificial.

Uma organização sem fins lucrativos inicial.

A OpenAI foi criada em 2015. A equipe fundadora incluía Elon Musk (que deixou o negócio em 2018), Sam Altman, o atual CEO, e Ilya Sutskever, o cientista-chefe. Entre os financiadores do projeto estavam o investidor Peter Thiel e a Amazon Web Services (AWS).

No início, a OpenAI não era uma empresa tradicional fundada com fins lucrativos, mas uma organização sem fins lucrativos. Além disso, a palavra “aberto” no nome expressa a intenção de trabalhar com outros participantes do setor de forma transparente.

De acordo com a postagem inaugural do blog da empresa, o objetivo da OpenAI era promover a inteligência digital de forma a promover o benefício da “humanidade como um todo”, sem estar atrelada à necessidade de gerar retorno financeiro.

Mas a pesquisa no campo da IA ​​não é barata e a OpenAI precisava atrair mais investimentos. Para tanto, foi criada a OpenAI LP, entidade que operaria visando “capped-profit”. Isso ocorreu em 2019. No mesmo ano, a Microsoft injetou US$ 1 bilhão na empresa, iniciando uma parceria que dura até hoje.

Juntas, as duas empresas começaram a agitar o jogo de busca na Internet, incomodando o Google. E aí está a ironia disso. Afinal, houve a contribuição do Google para o que o OpenAI se tornaria.

Limpar pesquisa.

Como um laboratório de pesquisa, o OpenAI fazia parte de um cenário colaborativo. Instituições privadas e universidades compartilharam dados e modelos para que outros pesquisadores pudessem contribuir e refinar os resultados. A OpenAI se beneficiou muito com isso.

É o que aponta Diogo Cortiz, cientista cognitivo e professor da PUC-SP, em entrevista ao Tecnocast 282. Segundo ele, esse ambiente de cooperação se desenvolveu de forma orgânica, com trocas entre diferentes laboratórios. O progresso na área, portanto, ocorreu de uma ciência feita com coletivamente.

Meta pesquisadores também trabalharam em cima da mesma arquitetura fornecida pelo Google, assim como OpenAI. De certa forma, a busca aberta do Google estimulou quem se tornaria seu concorrente.

Com o tempo, devido à necessidade de mais poder computacional para a realização de pesquisas, a iniciativa privada acabou ganhando destaque na área, com destaque para as Big Techs. É nesse contexto de forte investimento que surgiram ferramentas como o ChatGPT, que joga a inteligência artificial no colo do público.

E quando isso aconteceu, a OpenAI perdeu de vista a ênfase na abertura que parecia guiar a empresa.

A caixa preta.

No anúncio do GPT-4, a tecnologia que faz o ChatGPT e o novo Bing funcionar, a OpenAI optou por não revelar informações sobre o treinamento do modelo de linguagem. Portanto, não sabemos com quais dados a IA foi treinada, nem o número de parâmetros, nem a estratégia de aprendizado. Nenhuma abertura aqui.

É um movimento que vai contra a ideia de transparência e conhecimento aberto que parecia tão caro à comunidade de pesquisa. Por esse motivo, o OpenAI recebeu críticas na indústria. No entanto, essa mudança parece ter vindo para ficar.

Isso é o que Ilya Sutskever sugere. Quando perguntado pelo Verge por que essa mudança da abertura do passado, o co-fundador da OpenAI respondeu secamente: “Estávamos errados. ”.

A chegada das inteligências artificiais ao mainstream mudou o jogo. Agora, devido à forte concorrência na área – afinal, o Google também trabalha com ferramentas semelhantes – a OpenAI pode se reservar o direito de não abrir seus dados.

A decisão pode ter impactos além da OpenAI. Se outras empresas seguirem o exemplo, o desenvolvimento de uma tecnologia potencialmente transformadora pode acabar se movendo no escuro.

Diogo Cortiz resume a situação quando diz que o novo modelo de linguagem da OpenAI é uma “caixa preta. Selado. E escondido no fundo do mar. ” Depois de se beneficiar tanto da pesquisa aberta, a OpenAI não parece interessada em retribuir o favor.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

Sem comentários